La Gracia no blog da Robert Half

Posted by | junho 06, 2017 | Mídia | No Comments

Ser profissional ou ser humano?

Matéria publicada originalmente no Blog da Robert Half por Luciana Menezes.

PostRobertHalf

Logo quando entrei na faculdade consegui meu primeiro estágio em uma grande agência de publicidade. Aos poucos, fui me familiarizando com o ambiente e descobri que muita coisa era comum no dia a dia de trabalho, inclusive chorar no banheiro. Era uma equipe cheia de metas, prazos, pressão e, claro, um chefe carrasco. Ninguém falava nada sobre isso e todos tinham que engolir a angústia, que por vezes acabava dando um jeito de sair em uma cabine escondida. Ali – na agência, não na cabine – para dar conta das cobranças e conquistar um lugar que trouxesse um mínimo de segurança, precisávamos ser fortes. De certo, chorar não era lá o melhor jeito de demonstrar isso.

Anos depois, uma amiga, que também trabalhava na área, me chamou para conversar. Tinha tido um dia muito difícil no trabalho e acabou não dando tempo de chegar até o banheiro mais próximo… Chorou na frente de todo o escritório. Depois deste dia, passou a ser reconhecida como “aquela que não tem equilíbrio para lidar com as tarefas diárias” e, cansada de não ter a confiança dos colegas, acabou deixando o emprego. E ainda hoje, lidando diariamente com o universo corporativo, não raro histórias assim se repetem aqui e ali.

Por que é tão errado mostrar que temos sentimentos?

Por que a partir do momento que estamos no trabalho, precisamos assumir uma postura de robôs, e não pessoas?

Essa visão é tão perpetuada que, se jogarmos no Google as palavras “emoções” e “trabalho”, somos bombardeados de artigos que nos ensinam a ter controle de tudo que sentimos e constantemente tratam o ambiente corporativo como “campo de batalha”. Sentimos a pressão por todos os lados e nos vemos obrigados a vestir armaduras e estarmos prontos para a guerra. Isso, aparentemente, é ser profissional. Só que antes (ou mais provavelmente, junto) do “ser profissional” existe outro, mais importante, o ser humano, e esse tem necessidades que precisam ser reconhecidas e atendidas para que possa estar no seu melhor.  Mas se elas não podem ser expostas, como isso é possível?

Em um cenário onde 72% das pessoas (Brasil) estão insatisfeitas com o trabalho*, implicando em problemas como falta de concentração e de foco, produção reduzida e distração, é preciso questionar que tipo de ambiente estamos construindo se queremos cada vez mais que as pessoas sejam autônomas e “vistam a camisa” da empresa, como ouvimos muito por aí.

Mudar não é fácil, ainda mais nesse caso, onde a mudança envolve, inclusive, questões culturais. Afinal, cabe a cada empresa decidir o que ela mais valoriza:

– o profissional frio, que não demonstra emoção, mas tampouco dá abertura para a conexão e o diálogo

OU

– o ser humano que se permite ter emoções e que se relaciona bem com as demais pessoas, engajando-as dentro de uma mesma causa

Ainda que a primeira opção possa dar resultados, tenho dúvidas que isso se sustente no longo prazo.  Entre ser profissional e ser humano, que tal encontrarmos o equilíbrio num ambiente onde as pessoas deem o máximo de si, gerem resultados, mas também se permitam sentir, conectar-se umas às outras e, principalmente, serem felizes?

Esse é a primeira publicação feita a partir de uma parceria da La Gracia com a Robert Half que visa a criação e a disseminação de conteúdos relevantes ligados à comunicação. Gostou do tema? Aproveite para deixar seu comentário.

*Pesquisa da Isma Brasil (International Stress Management Association) realizada em três capitiais (São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre) com 1.034 profissionais ativos no mercado de trabalho, no final de 2014.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campo obrigatório.