fbpx

La Gracia Humaniza

conteúdo

Como começar uma apresentação?

La Gracia Humaniza
@lagracia

Você começa suas apresentações abrindo o PowerPoint e escrevendo no primeiro slide? Olha... acho que nossas dicas vão facilitar bastante a sua vida! A primeira delas? Ao começar uma apresentação, entenda antes a importância do roteiro!

Ao começar uma apresentação você abre o PowerPoint e escreve no primeiro slide que aparece? Então nossas dicas vão facilitar bastante a sua vida!

Não é só você que faz isso. Muita gente, ao começar uma apresentação, abre o PowerPoint (ou qualquer outra ferramenta de apresentações) e começa, bom, do começo. Slide 1, título, slide 2, resumo, slide 3… hum, será que coloco um resumo? Ou melhor aqui inserir uma imagem? E se eu colocar o título em cima da imagem? Esquece, melhor já começar com o gráfico principal. Ou…

Bom, nem precisamos dizer que, por mais óbvio que possa parecer começar uma apresentação pelo primeiro slide, não é por aí que você deve iniciar. Mas por onde então? Pelo roteiro!

Spock sendo surpreendido

Pois é, roteiro. Talvez você nunca tenha pensado nisso, mas antes de sair fazendo slides por aí, o primeiro passo é pensar no roteiro da sua apresentação

 
Por quê? Veja 3 razões para começar uma apresentação pelo roteiro!
 

1. Evitar o efeito “Frankenstein”

Ao começar uma apresentação, pense no roteiro
Tenho que começar uma apresentação, então o que eu faço?
– Abro o primeiro slide do PPT e começo a digitar o título;
– Transformo textos em tópicos (com bullet points);
– Coloco uma ideia em cada slide (porque li isso em algum lugar);
– Uso no máximo 7 frases por slide e no máximo 7 palavras por linha;
– Abro uma apresentação antiga e copio e colo uns slides legais;
– A cada novo slide, vou pra internet e busco uma imagem bacaninha (como isso leva um tempo, quando volto para o próximo slide já esqueci o que estava pensando…).
 

Ao final desse processo, me deparo com 30, 40, 100 slides totalmente desconectados. E aí começa o maior trabalho de todos: tentar, desesperadamente, costurar o frankenstein que foi criado.

Não seria bem mais fácil se, antes de partir para os slides, você tivesse limpado os excessos, organizado o conteúdo, adaptado a linguagem, deixado a mensagem mais fácil de entender? Pois é, todas providências que só um bom roteiro pode garantir. Orientação, guia, esquema, o roteiro é o esqueleto do conteúdo. Ele ajuda a definir quais serão os assuntos abordados, a ordem em que esses assuntos entram na história e sua importância na ação.

 

2. Criar sentido para o público

Ao montar um roteiro você consegue definir melhor o conteúdo antes de começar uma apresentação
Quando você começa a pensar no roteiro da sua apresentação, as respostas para algumas questões torna-se fundamentais:
Sobre o público
  • Quem é o público-alvo da apresentação?
  • O que já sabem sobre o assunto e o que querem saber?
  • O que você quer que eles saibam?
  • O que essa apresentação significa para elas?
  • Você espera alguma ação ou mudança de comportamento? Qual?
Sobre o objetivo da apresentação
  • Qual o objetivo principal da apresentação?
  • Quais conflitos / dúvidas / problemas precisam ser resolvidos?
  • Qual a mensagem principal?
  • O que essa apresentação significa para você?
Ao sair do PowerPoint e partir para o Word ou mesmo uma folha de papel, você se liberta das amarras e restrições do software e começa a pensar no que realmente importa para que sua mensagem faça sentido para o público e para que você alcance seu objetivo. É o cruzamento dessas informações que te permitirá criar sentido para sua mensagem.

 

3. Envolver, gerar compreensão e ação

É durante o roteiro que você planeja a história que quer contar antes de começar uma apresentação
Sem compreensão, não há interesse e, muito menos ação. Um bom roteiro transforma conteúdos densos e complexos em histórias simples, compreensíveis e interessantes. Acende os momentos mais importantes da história para causar nas pessoas emoções e vontade de continuar adiante.
 
Um roteiro bem construído pode até mesmo eliminar a necessidade de usar slides em sua apresentação. E caso os slides sejam indispensáveis, o roteiro garante que os slides estejam alinhados ao objetivo principal de uma apresentação eficiente: facilitar a compreensão e inspirar pessoas a agir.

Humanize as
apresentações, as
relações e o aprendizado
na sua empresa.

Fale com a gente

Veja também

CEO DISTANTE E INTOCÁVEL? COMO HUMANIZAR A ORGANIZAÇÃO

Já passou da hora de repensar modelos e humanizar a organização. Cada vez mais, vemos publicações de colaboradores nas redes sociais expondo angústias que se transformaram em burnout, depressão, doenças mentais e até mesmo físicas. Ou denunciando o desalinhamento do discurso que o marketing vende lindamente para fora pras práticas aplicadas internamente pelas lideranças, pelo […]

Ler mais

POR UMA LIDERANÇA MAIS INCLUSIVA

Para falar sobre uma liderança mais inclusiva, começo o texto de hoje com uma pergunta: “Por que é tão difícil lidar com o que é diferente de nós?”  Não tenho pretensão de responder, afinal, essa é uma pergunta daquelas bem cabeludas, que exigiria reunir filósofos para uma discussão longa e calorosa, regada a vinho e […]

Ler mais

E quando você precisa de mais do que um tapa na apresentação?

“Dá um tapa na apresentação aí! É simples.” Se eu tivesse contado as vezes que ouvi certas frases nos últimos 13 anos, esse com certeza ganharia de todas. Nossa, quase todo mundo pede apresentação desse jeito. Mas só quem faz apresentação todos os dias sabe que não é tão simples assim. Uma apresentação boa de […]

Ler mais

Qual a diferença entre um slide bonito e um slide com design?

Muito além de criar um slide bonito, recentemente, no artigo “A La Gracia ainda faz apresentações?”, eu disse que a La Gracia nasceu criando conexão por meio de apresentações. E tudo o que a gente foi aprendendo, ao fazer apresentações para presidentes e executivos do corporativo, fomos levando para nossos cursos. E tudo o que […]

Ler mais

Qual a diferença entre promover experiência e expor conteúdo?

Promover experiência é a constante resposta, presente nos 12 anos em que venho experimetando as várias formas de ensinar. Cada vez mais, vou me tornando uma defensora das metodologias que colocam o aluno como centro do aprendizado. O contrário disso é o que o educador Paulo Freire chamava de Educação Bancária: aquele tipo de educação que coloca […]

Ler mais