fbpx

La Gracia Humaniza

conteúdo

Como ser (realmente) engraçado numa apresentação?

Flávio Reis
@flavioreis

Matéria publicada originalmente na Exame.com por Claudia Gasparini. São Paulo – Num show de comédia “stand up”, o objetivo principal do apresentador é muito claro: honrar o ingresso pago pelo público e fazê-lo rir o máximo possível. Já numa apresentação corporativa, divertir a plateia nunca será a prioridade – o que não exclui a possibilidade de usar […]

Matéria publicada originalmente na Exame.com por Claudia Gasparini.

riso

São Paulo – Num show de comédia “stand up”, o objetivo principal do apresentador é muito claro: honrar o ingresso pago pelo público e fazê-lo rir o máximo possível.

Já numa apresentação corporativa, divertir a plateia nunca será a prioridade – o que não exclui a possibilidade de usar o humor como ferramenta para conquistar a plateia.

Quem diz isso é Joyce Baena, sócia-fundadora da La Gracia, agência especializada no assunto. Segundo ela, a capacidade de fazer os outros se divertirem é uma habilidade muito útil para um apresentador.

“O riso relaxa o público, chama a atenção para você e pode até ajudar na fixação de um determinado conteúdo”, afirma a especialista.

Isso não quer dizer, porém, que o recurso seja sempre bem-vindo. Muito pelo contrário, defende Fábio Mattos, sócio da agência SOAP.

O suficiente, para ele, é adotar uma postura simpática e descontraída diante do público – o bastante para provocar sorrisos, não gargalhadas. “Fazer humor de verdade numa apresentação é  um risco muito grande”, afirma.

É que há um risco considerável de parecer tolo, pouco profissional ou até “se queimar” com os presentes. Se a cultura da empresa não for receptiva a essa abordagem ou não houver familiaridade suficiente com o público, a graça se transforma em vexame.

Ainda assim, diz Joyce, não é tão difícil ser engraçado sem criar constrangimento para si próprio ou para a plateia. Basta observar alguns cuidados simples, descritos a seguir:

1. Não conte piadas
Poucas pessoas – aquelas com uma certa veia artística – são realmente capazes de contar uma piada a ponto de arrancar gargalhadas do ouvinte.

O que mais funciona em apresentações, afirma Joyce, são histórias pessoais. “É mais eficaz contar algo engraçado que aconteceu com você no caminho para o auditório, por exemplo”, diz ela. O segredo é trazer um relato que seja divertido, mas soe simples e pouco preparado – o exato oposto de uma piada mal contada.

2. Deixe os temas polêmicos de fora
Para não ofender nem inspirar antipatia, a dica de Fábio é evitar assuntos que costumam polarizar as pessoas, tais como política ou religião.

O conselho vale mesmo para os casos em que existe uma grande proximidade entre apresentador e público. “O risco de insultar uma pessoa sempre pode existir, mesmo num grupo muito conhecido por você”, diz Joyce.

3. Mergulhe no universo da plateia
Um dos segredos do riso é identificação pessoal do ouvinte com o objeto do humor. Joyce resume assim: para ser engraçado, você precisa fazer referência a algo que a plateia pense, viva ou sinta, mesmo que secretamente.

“O apresentador deve tirar sarro de situações em que as pessoas se reconheçam”, diz a sócia da La Gracia. Para encontrar essa “matéria-prima”, é preciso pesquisar ao máximo o universo e as características culturais da plateia.

4. Quebre as expectativas
Exagerar, distorcer e surpreender são três ferramentas básicas do humor, segundo Joyce. Um apresentador incapaz de explorar o inusitado vai, no máximo, arrancar um ou outro sorriso amarelo dos presentes.

Por isso, a dica dos especialistas é fugir de velhos chavões e lugares-comuns. Mattos diz que, além de tornar você mais engraçado, isso evita que você precise recorrer a estereótipos com potencial ofensivo.

5. Capriche na autoironia
Uma tática simples para fazer sucesso sem agredir ninguém é fazer graça com os seus próprios defeitos, uma marca do famoso humor britânico, tipicamente autodepreciativo.

“Fazer humor a partir das suas próprias fragilidades é sempre seguro, porque você é o alvo”, explica Joyce. Além de soar divertido, você ainda ganha uma aura vulnerável e simpática: uma combinação que desarma até o público mais mal-humorado.

Humanize as
apresentações, as
relações e o aprendizado
na sua empresa.

Fale com a gente

Veja também

CEO DISTANTE E INTOCÁVEL? COMO HUMANIZAR A ORGANIZAÇÃO

Já passou da hora de repensar modelos e humanizar a organização. Cada vez mais, vemos publicações de colaboradores nas redes sociais expondo angústias que se transformaram em burnout, depressão, doenças mentais e até mesmo físicas. Ou denunciando o desalinhamento do discurso que o marketing vende lindamente para fora pras práticas aplicadas internamente pelas lideranças, pelo […]

Ler mais

POR UMA LIDERANÇA MAIS INCLUSIVA

Para falar sobre uma liderança mais inclusiva, começo o texto de hoje com uma pergunta: “Por que é tão difícil lidar com o que é diferente de nós?”  Não tenho pretensão de responder, afinal, essa é uma pergunta daquelas bem cabeludas, que exigiria reunir filósofos para uma discussão longa e calorosa, regada a vinho e […]

Ler mais

E quando você precisa de mais do que um tapa na apresentação?

“Dá um tapa na apresentação aí! É simples.” Se eu tivesse contado as vezes que ouvi certas frases nos últimos 13 anos, esse com certeza ganharia de todas. Nossa, quase todo mundo pede apresentação desse jeito. Mas só quem faz apresentação todos os dias sabe que não é tão simples assim. Uma apresentação boa de […]

Ler mais

Qual a diferença entre um slide bonito e um slide com design?

Muito além de criar um slide bonito, recentemente, no artigo “A La Gracia ainda faz apresentações?”, eu disse que a La Gracia nasceu criando conexão por meio de apresentações. E tudo o que a gente foi aprendendo, ao fazer apresentações para presidentes e executivos do corporativo, fomos levando para nossos cursos. E tudo o que […]

Ler mais

Qual a diferença entre promover experiência e expor conteúdo?

Promover experiência é a constante resposta, presente nos 12 anos em que venho experimetando as várias formas de ensinar. Cada vez mais, vou me tornando uma defensora das metodologias que colocam o aluno como centro do aprendizado. O contrário disso é o que o educador Paulo Freire chamava de Educação Bancária: aquele tipo de educação que coloca […]

Ler mais