fbpx

La Gracia Humaniza

conteúdo

Como usar o storytelling para envolver pessoas

Joy Baena
@joycebaena

“Como usar o storytelling para envolver pessoas” foi publicado originalmente no Brasil Post. Há mais de 15 anos tenho ensinado pessoas como construir e usar roteiros para aumentar a eficiência na comunicação dentro do ambiente corporativo. Recentemente resolvi encarar com meus alunos um dos braços dessa ferramenta: o storytelling, esse tão comentado recurso. Visto por […]

“Como usar o storytelling para envolver pessoas” foi publicado originalmente no Brasil Post.

Há mais de 15 anos tenho ensinado pessoas como construir e usar roteiros para aumentar a eficiência na comunicação dentro do ambiente corporativo. Recentemente resolvi encarar com meus alunos um dos braços dessa ferramenta: o storytelling, esse tão comentado recurso.

Visto por muitos como uma das grandes tendências nos últimos anos, tanto no ambiente do Marketing quanto da Publicidade, o storytelling tem se propagado por muitos outros ambientes: palestras, apresentações corporativas e até mesmo em reuniões, profissionais tem tentado implantá-lo com a promessa de trazer leveza e ganhar maior atenção de suas audiências.

Apesar de todos estarmos envoltos em histórias desde a infância, poucos realmente se aventuram a entender o que existe por trás delas e porque, algumas em especial, tem o poder de nos levar às lágrimas.

Raiva, tristeza, paixão, pena, angústia, nojo. Quem já conseguiu assistir Dogville até o fim sabe o que são cada uma dessas sensações. Esse filme mexeu tanto comigo que na hora em que saí do cinema, estava com ódio do filme. Três dias depois, ainda tentava entender o que estava sentindo. Comecei a decifrar cada um dos sentimentos que o filme causa e no final de tudo, entendi que foi exatamente essa mistura de emoções que o diretor quis, intencionalmente, causar na audiência.

De forma diferente, mas tão envolvente quanto, passei 2 dias sem dormir depois de assistir Funny Games – Violência gratuita, estrelado no Festival de Cannes em 1997. Um thriller totalmente psicológico, onde você não vê nada mas pior, imagina tudo. E acreditem, imaginar é muito mais forte do que ver.

Sabe quando alguém diz pra você que viu um filme incrível, maravilhoso e que você precisa ver? Então. Você normalmente vai e se frustra. Por quê? A nossa mente é capaz de criar coisas tão fantásticas que, dificilmente, a realidade vai conseguir superar e é, justamente aí, que mora o grande segredo das boas histórias.

Quando assistimos a um filme, as imagens são capazes de nos levar aos mais diversos universos. Mas como fazer isso dentro do ambiente corporativo, onde muitas vezes você só conta com sua fala, seu corpo e um PPT (nem tão legal assim)?

 

Aí vão 3 dicas que irão lhe ajudar a deixar suas histórias mais envolventes:

1 – As pessoas precisam ver o que você está falando.
Isso mesmo, não adianta vir com palavras inteligentes, bonitas e complexas. Se as pessoas não conseguem enxergar o que você fala, dentro da mente delas, simplesmente desistem de seguir em frente.

Quer um exemplo? Recentemente me deparei com o Business Bingo. Já ouviu falar? Um artigo da Folha de São Paulo explica como jogar:

Imprima o quadro que segue antes de começar a reunião, seminário, conferência, etc. Sempre que ouvir a palavra ou expressão contida numa das casas, marque a mesma com um (X). Quando completar uma linha, coluna ou diagonal, grite "bingo". Testemunho de jogadores satisfeitos: A reunião já tinha começado há 5 minutos quando ganhei! A atmosfera da última reunião de direção foi muito tensa porque 14 pessoas estavam à espera de preencher a 5ª casa. O diretor geral ficou surpreso ao ouvir 8 pessoas gritando "BINGO", pela 3ª vez numa hora.
Imprima o quadro que segue antes de começar a reunião, seminário, conferência, etc.
Sempre que ouvir a palavra ou expressão contida numa das casas, marque a mesma com um (X).
Quando completar uma linha, coluna ou diagonal, grite “bingo”.
Testemunho de jogadores satisfeitos:
A reunião já tinha começado há 5 minutos quando ganhei!
A atmosfera da última reunião de direção foi muito tensa porque 14 pessoas estavam à espera de preencher a 5ª casa.
O diretor geral ficou surpreso ao ouvir 8 pessoas gritando “BINGO”, pela 3ª vez numa hora.

Parece divertido, não é mesmo? Mas a verdade é muito triste porque esse jogo é resultado de anos ouvindo jargões sem sentido em momentos que poderiam ser muito ricos para trocar conhecimento e tomar grandes decisões.

Michael J. Sandel, filósofo, escritor, professor universitário, ensaísta, conferencista e palestrante, mundialmente reconhecido por seus livros Justiça – O que é fazer a coisa certa? (2010) e Liberalismo e os limites da Justiça (1982) é um ótimo exemplo de como usar histórias que todos possam ver, mesmo sem utilizar recursos visuais. Veja no final desse post um vídeo dele e perceba que todos os elementos usados em suas histórias são facilmente vistos em nossas mentes.

2 – As melhores histórias falam sobre problemas que fazem parte da realidade das pessoas.

Quer ter sucesso com uma história? Traga seu público como protagonista da situação, tentando desesperadamente solucionar problemas que o seu produto/serviço/processo, só no final, vai ajudar a resolver.

Narrativas são sobre problemas, não sobre soluções.

O grande barato é que seu público, ou seja, o personagem principal da história, sofra tentando resolver, experimente algumas alternativas, se frustre no processo e, só no final, você chega com a salvação. Se tudo for feito com bom humor, melhor ainda.

3 – Histórias aumentam a sua responsabilidade sobre o que prometeu, porque a lembrança é garantida.

O que você quer que o público saia pensando no final de tudo?

A mensagem que você quer transmitir tem que estar clara na sua cabeça mesmo antes de começar a criar a história.

E depois, absolutamente tudo da história tem que ser pensado em função dessa mensagem: o protagonista, cada situação que ele está enfrentando, o vilão. Tudo tem que ser muito bem escolhido para que no final, o público entenda que o que você está vendendo é absolutamente incrível para resolver os problemas enfrentados por seu personagem.

No fim de tudo, se você realmente conseguir contar uma boa história, pode ter certeza que seu público se conectar a você. E mais, irá lembrar dela por meses, até anos. Já diria Jerome Bruner: um fato tem 20 vezes mais chances de ser lembrado se estiver ancorado em uma história.

Perceba como o Michael Sandel envolve a audiência usando histórias fáceis de enxergar, mesmo sem aparato visual.

Esse comercial é um ótimo exemplo de narrativa baseada em conflitos:

 

Humanize as
apresentações, as
relações e o aprendizado
na sua empresa.

Fale com a gente

Veja também

Qual a diferença entre promover experiência e expor conteúdo?

Promover experiência é a constante resposta, presente nos 12 anos em que venho experimetando as várias formas de ensinar. Cada vez mais, vou me tornando uma defensora das metodologias que colocam o aluno como centro do aprendizado. O contrário disso é o que o educador Paulo Freire chamava de Educação Bancária: aquele tipo de educação que coloca […]

Ler mais

A La Gracia ainda faz apresentações?

Em 2009, nós começamos a fazer apresentações para o mundo corporativo e durante muito tempo nós fizemos isso! E ficamos conhecidos por isso! Quando paramos para ver e relembrar cada projeto, dá um orgulho danado. No mesmo ano, começamos a ensinar tudo o que estávamos aprendendo ao lançar o primeiro Curso de Design de Apresentações […]

Ler mais

Você pode abrir a câmera, por favor?

A fotógrafa Ilana Bessler dá dicas sobre enquadramento, iluminação e construção de imagem para todas as lives, reuniões online e videoconferências que se intensificaram no nosso cotidiano.

Ler mais

Como provocar um líder diretivo a se tornar mais empático e construtivo?

Eu poderia começar esse artigo dando uma resposta simples: use as necessidades do líder como ponto de partida para a transformação. Mas, como colocar isso em prática?

Ler mais

La Gracia News de abril: quando a vida pessoal e profissional se misturam

Com nossa vida pessoal mais misturada do que nunca com a rotina profissional, como ficam nossas relações, nossa comunicação e, mais ainda, nosso estado de espírito?

Ler mais