fbpx

La Gracia Humaniza

conteúdo

Imagem meramente ilustrativa?

La Gracia Humaniza
@lagracia

A publicidade constrói cenários perfeitos e cria necessidades em seu publico, através de imagens. Em apresentações, nos livros e no cinema, também conseguimos envolver a audiência pelos olhos. Mas qual é o limite? Por se tratar de um recurso poderoso, deveria ser usado com responsabilidade?

Somos pessoas extremamente visuais. Mais da metade do nosso cérebro é reservado para fazer o processamento de imagens. Por isso, a comunicação, de uma maneira geral, utiliza esse recurso sem moderação.

A publicidade constrói cenários perfeitos e cria necessidades em seu publico, através de imagens. Em apresentações, nos livros e no cinema, também conseguimos envolver a audiência pelos olhos. Mas qual é o limite? Por se tratar de um recurso poderoso, deveria ser usado com responsabilidade?

Há alguns meses, foi lançado o documentário “Mulheres Brasileiras: Do Ícone Midiático à Realidade”, que questiona a imagem da mulher brasileira construída e explorada pela mídia nacional.

O trabalho chama a atenção para a visão simplista e machista do que seria o padrão de beleza da mulher brasileira e seu lugar na sociedade. E o que percebemos é o óbvio, que o que vemos todos os dias nos meios de comunicação não se assemelha em nada com a maioria das mulheres do lado de cá da tela fazendo com que a maioria do público não se identifique com o que assiste. Na publicidade esse pode até ser um caminho com bons resultados – para o anunciante, é bom que se diga – já que cria um padrão difícil de ser atingido e mantém as consumidoras em uma busca constante e cara por esse estereótipo. Já nas apresentações, essa pode ser uma escolha arriscada, pois é imprescindível que o público realmente se identifique com o que está sendo dito, o que dificilmente vai acontecer se você optar por esses padrões ao tentar representá-lo através de imagens nos slides (e aqui não estamos falando apenas das mulheres). Se não há conexão nem entre discurso e imagem, que dizer com relação ao público?

O público precisa se identificar com o que está sendo dito

Há também quem vá para o outro extremo da situação e tente combater o estereótipo… Com outro estereótipo! Não raro, ouvimos pedidos por imagens de famílias e pessoas “mais brasileiras”, mas convenhamos, o que isso quer dizer na prática? Porque o Brasil não tem uma cara definida. Encontramos brasileiros brancos, loiros de olhos claros, ruivos com sardas, morenos de olhos de jabuticaba, negros de cabelos cacheados, sanseis de cabelos lisos, mulheres com corpões e mulheres magrinhas… É uma mistura tão grande de tipos de brasileiros genuínos, que é difícil dizer o que seria uma pessoa “mais brasileira”.

A verdade é que representar toda essa diversidade pode realmente ser muito difícil e ao tentar fazer isso, mesmo sabendo que existe uma predominância, certos padrões, é fácil cair na armadilha de usar fotografias estereotipadas, para um lado e para o outro, ainda mais que elas existem aos montes nos bancos de imagem (pagos e gratuitos) disponíveis na internet. Como sempre, bom senso é tudo! Se não existe um único tipo de pessoa no público, observe, considere a diversidade de perfis e de conhecimentos, seja responsável, livre-se de pré-conceitos e faça escolhas melhores.

E aí? Qual imagem você quer deixar? Se te perguntarem, prefira a que seja meramente real.

Humanize as
apresentações, as
relações e o aprendizado
na sua empresa.

Fale com a gente

Veja também

CEO DISTANTE E INTOCÁVEL? COMO HUMANIZAR A ORGANIZAÇÃO

Já passou da hora de repensar modelos e humanizar a organização. Cada vez mais, vemos publicações de colaboradores nas redes sociais expondo angústias que se transformaram em burnout, depressão, doenças mentais e até mesmo físicas. Ou denunciando o desalinhamento do discurso que o marketing vende lindamente para fora pras práticas aplicadas internamente pelas lideranças, pelo […]

Ler mais

POR UMA LIDERANÇA MAIS INCLUSIVA

Para falar sobre uma liderança mais inclusiva, começo o texto de hoje com uma pergunta: “Por que é tão difícil lidar com o que é diferente de nós?”  Não tenho pretensão de responder, afinal, essa é uma pergunta daquelas bem cabeludas, que exigiria reunir filósofos para uma discussão longa e calorosa, regada a vinho e […]

Ler mais

E quando você precisa de mais do que um tapa na apresentação?

“Dá um tapa na apresentação aí! É simples.” Se eu tivesse contado as vezes que ouvi certas frases nos últimos 13 anos, esse com certeza ganharia de todas. Nossa, quase todo mundo pede apresentação desse jeito. Mas só quem faz apresentação todos os dias sabe que não é tão simples assim. Uma apresentação boa de […]

Ler mais

Qual a diferença entre um slide bonito e um slide com design?

Muito além de criar um slide bonito, recentemente, no artigo “A La Gracia ainda faz apresentações?”, eu disse que a La Gracia nasceu criando conexão por meio de apresentações. E tudo o que a gente foi aprendendo, ao fazer apresentações para presidentes e executivos do corporativo, fomos levando para nossos cursos. E tudo o que […]

Ler mais

Qual a diferença entre promover experiência e expor conteúdo?

Promover experiência é a constante resposta, presente nos 12 anos em que venho experimetando as várias formas de ensinar. Cada vez mais, vou me tornando uma defensora das metodologias que colocam o aluno como centro do aprendizado. O contrário disso é o que o educador Paulo Freire chamava de Educação Bancária: aquele tipo de educação que coloca […]

Ler mais