fbpx

La Gracia Humaniza

conteúdo

O que faz sentido para 2016?

Luiz Grecov
@luizgrecov

Post escrito por Fernanda Bolzan e Priscila Alvim. Como parte de uma ação para ajudar as pessoas a buscarem mais sentido para suas vidas em 2016, lançamos a campanha “#em2016fazsentido”. Para participar, basta postar no Instagram, Facebook ou Twitter a sua mensagem (foto, vídeo ou texto) sobre o que faz sentido para você. Para inspirar, […]

Post escrito por Fernanda Bolzan e Priscila Alvim.

Como parte de uma ação para ajudar as pessoas a buscarem mais sentido para suas vidas em 2016, lançamos a campanha “#em2016fazsentido”. Para participar, basta postar no Instagram, Facebook ou Twitter a sua mensagem (foto, vídeo ou texto) sobre o que faz sentido para você. Para inspirar, elaboramos uma lista de 10 atitudes que nós acreditamos que fazem total sentido em 2016, além de algumas dicas de como chegar lá!

1)…praticar a empatia

Posicionamentos extremistas e falta de diálogo já nos levaram à muita violência e sofrimento, não acham? Já passou da hora de realmente respeitarmos o próximo e aceitarmos suas diferenças.

Praticar a empatia ajuda a compreender melhor o comportamento do outro e, consequentemente, respeitá-lo. A empatia leva as pessoas a serem mais tolerantes e aceitar melhor as diferenças, sejam elas de sexo, cor, cultura, idade, posicionamento político ou orientação sexual.  

Uma iniciativa muito legal que surgiu em 2015 foi o Museu da Empatia. O objetivo do museu é promover uma revolução nas relações humanas através do desenvolvimento da empatia. Para os criadores do projeto, empatia é o antídoto perfeito contra preconceito, conflitos sociais e desigualdade. Saiba mais sobre o projeto clicando aqui.

Outra boa pedida é o documentário “Human”. Nele, o cineasta Yann Arthus-Bertrand busca responder à pergunta: “O que nos faz humanos?”. Para chegar à resposta, ele nos traz a história de vida de 2 mil mulheres e homens de 60 países. O filme está disponível no YouTube.

2) …ser mais informado


Da política às causas que mais mereciam nossa atenção, tudo virou motivo para discussão em 2015, principalmente nas redes sociais. Para provar seu ponto de vista, todos os lados envolvidos publicaram e republicaram os mais variados argumentos, sem análise, sem questionamento.

Para 2016, que tal, ao invés de compartilhar a opinião alheia, pensar por si próprio, buscar informações e se aprofundar antes de chegar a conclusões precipitadas?

Além dos veículos de mídia tradicionais, vale buscar aqueles independentes como a Pública e a Mídia Ninja.

3) …cuidar da sua saúde e da saúde do planeta


A sua mãe também te fala que a saúde é seu bem mais precioso? Então, ela tem razão. Além de evitar doenças, ainda promove o bem-estar físico e mental. Ter hábitos saudáveis é importante em vários aspectos da nossa vida, como alimentar-se bem, praticar exercícios, ter mais calma, cultivar uma horta em casa, produzir menos lixo e reciclar – nosso planeta também precisa de cuidados com a saúde e todos nós somos responsáveis por ela.

Uma dica: ignorar comentários na internet também faz bem à saúde.

4) …estar presente

Será que a tecnologia ainda está aproximando as pessoas? Estamos nos comunicando melhor ou nos afastando cada vez mais? Muitas vezes, ela vira um “muro” entre as pessoas e é utilizada de forma errada, tanto que começamos a nos deparar com mobilizações que alertam sobre os riscos do uso excessivo de smartphones e outras ferramentas digitais.          
O mundo, cada vez mais cheio de aplicativos e sinal de wifi, está ficando carente de presença, de touch (sem screen), de ouvidos atentos, troca de experiências, abraços, beijos e conhecimento. Que tal levar as memórias no peito ao invés de levar no HD?

O vídeo abaixo, que apareceu em 2015, é um bom “tapa na cara” e nos faz pensar sobre essa questão.

5) …nos unirmos

tumblr_m4lw42DXMN1rpy7n0o2_400

É mais fácil colocar uma ideia em prática quando ela é compartilhada por muitas pessoas, não é mesmo? O colaborativismo é o motor da inteligência coletiva e tem sido uma palavra cada vez mais conhecida, seja para criar uma enciclopédia onde qualquer internauta pode editar o conteúdo dos artigos, para tirar um projeto bacana do papel através do financiamento coletivo ou até mesmo arrecadar todo tipo de mantimento e ajuda para uma cidade vítima de uma catástrofe, como vimos várias vezes nos últimos anos. Juntos, podemos ir mais longe e promover mudanças reais.

O site Razões Para Acreditar está cheio de ótimos exemplos, como os publicitários que criaram um projeto colaborativo que transforma cartinhas de Natal de crianças carentes em ilustrações que irão formar um livro. O dinheiro arrecado com as vendas será revertido em presentes para essas crianças. Outro exemplo.

6) …propagar o amor

Ser gentil com os outros sem esperar nada em troca, sorrir, falar “eu te amo”, cumprimentar, abraçar são gestos tão simples, mas que podem fazer a diferença no dia a dia corrido e estressante em que vivemos.  Se em 2015 nossa rotina foi marcada por exaustão e impaciência, que em 2016 possamos ser conscientes de que nossos atos são transformadores.

Quer um exemplo? Conheça o projeto Instituto A Nossa Jornada, de Renata Quintela, que foi, inclusive, uma das entrevistadas do nosso podcast.

7) …construir o mundo onde você quer viver!

Você provavelmente já ouviu a frase “seja a mudança que você quer ver no mundo”, de Mahatma Ghandi, certo? Talvez ele nunca tenha sido tão atual como é hoje. Vemos diariamente, nas ruas e nas redes sociais, muitas pessoas reclamando da política, do trabalho e até de outras pessoas, mas pouca gente efetivamente fazendo algo para mudar.

Assim, que tal se em 2016 a gente dar o primeiro passo para mudar o mundo ao nosso redor, ou seja, mudar a nós mesmos? O processo é lento, pode ser até doloroso, mas uma mudança real no mundo só vai acontecer quando as pessoas mudarem.

Precisa de inspiração? Ouça os episódios do “¿Qué Piensas?”, o podcast da La Gracia, onde você vai encontrar bate-papos com pessoas muito interessantes e que estão fazendo acontecer por um mundo melhor.

8) …ir atrás dos seus sonhos.

Na economia, é comum ouvir que “quanto maior o risco, maior o retorno”. Na vida, essa máxima pode ser adaptada para “evoluir é se arriscar”. Isso quer dizer simplesmente que devemos lutar por aquilo que acreditamos, devemos contar menos com a sorte e mais com nosso próprio esforço e isso significa sair da zona de conforto, lidar com o desconhecido e o incerto. Dar um passo a frente e correr alguns riscos em nome de nossos sonhos.

Para se inspirar, conheça algumas das histórias da websérie “continue curioso”, um projeto documental para falar sobre novas maneiras de trabalhar e de enxergar o trabalho e a vida.

9) …passar mais tempo com você

giphy (1)

Quem é você?

Quanto tempo você leva para responder a essa pergunta?
Parece estranho, mas a maioria das pessoas têm grande dificuldade em falar sobre si, sobre as coisas que gosta, sobre quais são seus defeitos, medos, qualidades, dificuldades, sonhos… Se conhecer é o primeiro passo para começar uma transformação, para ser capaz de ajudar o próximo e a si mesmo, é a partir daí que conseguimos traçar objetivos e fazer planos. Por isso, a sugestão é que no ano que vem você se descubra, experimente coisas novas, viaje, passe mais tempo com seus amigos e sua família, experimente fazer terapia, porque não? Se entenda, se goste e se permita ser feliz.

Dica: Sabemos que a busca pelo autoconhecimento não é um caminho fácil de ser percorrido, para começar esse trajeto você pode procurar por cursos e palestras sobre o tema. Em São Paulo, existe a School Of Life, focada no desenvolvimento da inteligência emocional e que oferece vários cursos abertos e empresariais. A School Of Life é uma iniciativa do filósofo Alain de Botton, que tem inclusive uma palestra muito interessante no Ted falando sobre a construção de uma filosofia de sucesso mais bondosa e delicada. Para assistir, clique aqui.

10)…compartilhar coisas boas.

O que mais vimos nas redes sociais durante esse ano foi o compartilhamento de noticias ruins. Fomos tomados pela falta de esperança e impedidos de enxergar o que havia de positivo. Então porque não podemos começar a mudança agora mesmo? Convidamos a todos para compartilhar o que faz sentido para que 2016 seja um ano mais feliz. A ideia é encher as redes sociais com esperança e inspiração. Topam? É só gravar um vídeo, fazer uma foto ou um texto com uma sugestão e postar com a hashtag #em2016fazsentido. Acesse a página para saber mais do projeto e se inspirar.

Está esperando o quê? Pense no que faz sentido para um mundo melhor em 2016 e espalhe sua mensagem!

Humanize as
apresentações, as
relações e o aprendizado
na sua empresa.

Fale com a gente

Veja também

Qual a diferença entre promover experiência e expor conteúdo?

Promover experiência é a constante resposta, presente nos 12 anos em que venho experimetando as várias formas de ensinar. Cada vez mais, vou me tornando uma defensora das metodologias que colocam o aluno como centro do aprendizado. O contrário disso é o que o educador Paulo Freire chamava de Educação Bancária: aquele tipo de educação que coloca […]

Ler mais

A La Gracia ainda faz apresentações?

Em 2009, nós começamos a fazer apresentações para o mundo corporativo e durante muito tempo nós fizemos isso! E ficamos conhecidos por isso! Quando paramos para ver e relembrar cada projeto, dá um orgulho danado. No mesmo ano, começamos a ensinar tudo o que estávamos aprendendo ao lançar o primeiro Curso de Design de Apresentações […]

Ler mais

Você pode abrir a câmera, por favor?

A fotógrafa Ilana Bessler dá dicas sobre enquadramento, iluminação e construção de imagem para todas as lives, reuniões online e videoconferências que se intensificaram no nosso cotidiano.

Ler mais

Como provocar um líder diretivo a se tornar mais empático e construtivo?

Eu poderia começar esse artigo dando uma resposta simples: use as necessidades do líder como ponto de partida para a transformação. Mas, como colocar isso em prática?

Ler mais

La Gracia News de abril: quando a vida pessoal e profissional se misturam

Com nossa vida pessoal mais misturada do que nunca com a rotina profissional, como ficam nossas relações, nossa comunicação e, mais ainda, nosso estado de espírito?

Ler mais