fbpx

La Gracia Humaniza

conteúdo

Para não fazer feio na hora de encarar a banca

Luiz Grecov
@luizgrecov

Matéria publicada originalmente na Gazeta do Povo por Naiady Piva Não deixar tudo para a última hora é a primeira atitude para se dar bem na apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso Individual ou em grupo, o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é o último leão a ser abatido pelos alunos de graduação no […]

Matéria publicada originalmente na Gazeta do Povo por Naiady Piva

Não deixar tudo para a última hora é a primeira atitude para se dar bem na apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso

 |

Individual ou em grupo, o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é o último leão a ser abatido pelos alunos de graduação no caminho para conquistar o diploma. São pelo menos seis meses de pesquisa colocados à prova em um grande dia: a banca.

A dica número um dos professores é fazer um trabalho bem feito ao longo de todo o semestre. Mas caprichar na hora da apresentação pode ajudar na nota e demonstrar maturidade do aluno, que se prepara para entrar no mercado de trabalho.

Não deixar para fazer as coisas em cima da hora é fundamental. É necessário ficar de olho nos prazos divulgados pelas faculdades e secretarias de curso. Às vésperas da banca, conversar com o orientador pode ajudar – saber qual o tempo de apresentação, se a sala possui recursos multimídia e quem serão os convidados (que podem ser escolhidos pela faculdade ou pelo próprio estudante).

No dia da apresentação, chegue cedo: dez ou quinze minutos antes para ver qual é a sala, instalar o pen-drive, ver se a apresentação está adequada. A sugestão é da coordenadora de TCC da FAE, Vera Lucia Robles, que também alerta para a postura. “Não falar gírias, não mascar chicletes, não ficar caminhando na frente da tela”, enumera.

Durante a apresentação, de 10% a 15% do tempo deve ser reservado para a apresentação da proposta – aqueles tópicos presentes no projeto de pesquisa (objetivo, problema de pesquisa, hipótese, objeto), segundo Vera. Outros 20% do tempo reserve para considerações finais. Os 65% restantes é para o desenvolvimento, que consiste na produção teórica do aluno (no caso de uma monografia clássica) e na descrição da parte prática (para um produto). É importante levar uma apresentação audiovisual (slides, vídeos, fotos). Mas ela não deve ser o centro das atenções, e sim o aluno, e aquilo que ele diz. Quem fez um bom trabalho pode saber que a apresentação vai sair mais natural.

Simara Duarte, coordenadora do curso de Direito da PUCPR, diz que sempre explica aos seus alunos que ninguém sabe mais do que eles mesmos sobre aquele trabalho. “E quando a gente domina o assunto, a apresentação é facilitada. A banca existe exatamente para saber se o estudante domina aquilo que ele se propõe a escrever”, explica.

A apresentação deve levar em conta o lado visual, mas principalmente a funcionalidade. “Como aquela informação vai me ajudar?”, é o questionamento a ser feito, explica Luiz Grecov, da consultoria de design La Gracia, de São Paulo. A empresa criou o e-book 4 dicas para uma apresentação de TCC matadora, disponível de graça na internet.

Oriente-se

Veja algumas dicas disponíveis no site
http://br.novolagraciateste.mystagingwebsite.com/ebook-tcc

O centro das atenções

O slide deve contar apenas o essencial; passar a mensagem. Eles devem ser objetivos e simples, porém bonitos.

Excesso

Cuidado para não prolongar demasiadamente as ideias. Muitos slides sobre o mesmo tema podem deixar a apresentação cansativa. Evite textos muito longos. O importante é o que você tem a dizer sobre o assunto.

Não fuja do “2”

A “metodologia do 2” é um padrão que a La Gracia sugere para apresentações eficientes. Trabalhe com duas cores no texto, duas fontes, duas imagens. Mais ou menos do que isso pode ser um problema.

Treino

Pratique a apresentação. Pode ser em frente ao espelho ou à câmera do celular. Não deixe para “estrear” na banca.

Revisão

Revise o material, não deixe passar erros. E não deixe para fazer isso na última hora.

Vestimentas

O traje, diz Vera Lucia, deve “ser adequado à área do trabalho”. Se é na área de gestão deve ser algo mais formal, uma calça social, um paletó para os homens; para as mulheres calça social, camisa de algodão, tailleur. “Evitar jeans e tênis, bermuda nem pensar”, alerta.

Simara Duarte explica que a formalidade é importante, ao menos na sua área do Direito. “Você está a um passo de trabalhar como profissional, então se em um fórum [de Justiça] temos comportamentos, é importante aqui também agir desta forma”, orienta.

Humanize as
apresentações, as
relações e o aprendizado
na sua empresa.

Fale com a gente

Veja também

Qual a diferença entre promover experiência e expor conteúdo?

Promover experiência é a constante resposta, presente nos 12 anos em que venho experimetando as várias formas de ensinar. Cada vez mais, vou me tornando uma defensora das metodologias que colocam o aluno como centro do aprendizado. O contrário disso é o que o educador Paulo Freire chamava de Educação Bancária: aquele tipo de educação que coloca […]

Ler mais

A La Gracia ainda faz apresentações?

Em 2009, nós começamos a fazer apresentações para o mundo corporativo e durante muito tempo nós fizemos isso! E ficamos conhecidos por isso! Quando paramos para ver e relembrar cada projeto, dá um orgulho danado. No mesmo ano, começamos a ensinar tudo o que estávamos aprendendo ao lançar o primeiro Curso de Design de Apresentações […]

Ler mais

Você pode abrir a câmera, por favor?

A fotógrafa Ilana Bessler dá dicas sobre enquadramento, iluminação e construção de imagem para todas as lives, reuniões online e videoconferências que se intensificaram no nosso cotidiano.

Ler mais

Como provocar um líder diretivo a se tornar mais empático e construtivo?

Eu poderia começar esse artigo dando uma resposta simples: use as necessidades do líder como ponto de partida para a transformação. Mas, como colocar isso em prática?

Ler mais

La Gracia News de abril: quando a vida pessoal e profissional se misturam

Com nossa vida pessoal mais misturada do que nunca com a rotina profissional, como ficam nossas relações, nossa comunicação e, mais ainda, nosso estado de espírito?

Ler mais