fbpx

La Gracia Humaniza

conteúdo

Sete erros para evitar ao pedir aumento de salário

La Gracia Humaniza
@lagracia

Matéria publicada originalmente na Veja por Daniela Macedo. O primeiro passo para o profissional que cogita uma negociação salarial é a autoavaliação de desempenho. Constatado o mérito, é hora de pensar na abordagem. Veja sete erros cometidos por quem pede aumento de salário e dicas de como reduzir a chance de ouvir um ‘não’ do chefe. […]

Matéria publicada originalmente na Veja por Daniela Macedo.

O primeiro passo para o profissional que cogita uma negociação salarial é a autoavaliação de desempenho. Constatado o mérito, é hora de pensar na abordagem. Veja sete erros cometidos por quem pede aumento de salário e dicas de como reduzir a chance de ouvir um ‘não’ do chefe.

Alegar problemas financeiros Não diga que precisa de um aumento porque acabou de comprar um apartamento, ter um filho ou para saldar dívidas. A relação entre empresa e funcionário é estritamente profissional, ou seja, a remuneração não está associada às necessidades financeiras do empregado. O que fazer: apresente argumentos relacionados ao trabalho, como resultados positivos e cumprimento de metas e de prazos. Por isso, a autoavaliação é crucial no processo.

Comparar seu salário ao do colega

A alegação de que merece um aumento porque ganha menos que o colega é ineficiente e, de quebra, ainda pode prejudicá-lo. “Mesmo dois profissionais com posições equivalentes dentro da empresa são diferentes: um pode ter qualidades que o outro não tem”, diz Joyce Baena, diretora da La Gracia. O que fazer: pesquise no mercado de trabalho se o aumento que você pleiteia está de acordo com os valores praticados por outras empresas. A informação não será o argumento principal da conversa, mas servirá como base para uma negociação realista.

Pedir aumento quando o chefe está de mau humor

Em tese, problemas pessoais não deveriam interferir na rotina profissional, mas um um filho doente, a derrota do time de futebol ou um pneu furado podem pesar na decisão do chefe quando um funcionário pede aumento ou promoção. O que fazer: escolha um momento em que o chefe pareça tranquilo ou bem humorado, mesmo que você esteja seguro de que merece o aumento.

Inventar uma proposta externa

Blefar na esperança de ouvir uma contraproposta é um erro grave. O funcionário que inventa uma oferta de trabalho para negociar o salário corre o risco de ouvir um “boa sorte no seu novo emprego”. O que fazer: em primeiro lugar, jamais mentir. E mais: participar de processos seletivos com o intuito de pressionar a empresa para obter um salário maior pode até funcionar a curto prazo, mas o leilão pode prejudicar a reputação (e a carreira) do candidato na companhia preterida.

Ignorar dificuldades financeiras da empresa

O empregador está enfrentando dificuldades financeiras? As chances de conseguir o aumento caem consideravelmente, em especial se o momento for de corte de custos. O que fazer: em vez de pedir um aumento salarial, pergunte sobre caminhos alternativos para engordar a remuneração, como trabalhos extras para outros departamentos da empresa ou a possibilidade de assumir novas tarefas e responsabilidades.

Ser ansioso

O pedido de aumento é uma conversa complicada. O profissional que aborda o assunto com o chefe nos corredores, durante o almoço ou, pior, por e-mail perde oportunidade de negociação e, assim, reduz as chances de incrementar o contracheque. O que fazer: trate o assunto com a formalidade necessária, ou seja, agende uma reunião com o chefe para discutir o aumento.

Dar um ultimato

Acuar o chefe é uma das principais armadilhas durante uma conversa desse tipo. “Pedir aumento não demite ninguém, mas a forma como o pedido é feito pode prejudicar o funcionário”, diz Fernando Mantovani, da Robert Half. Portanto, a não ser que a demissão seja realmente o plano, não ameace deixar a empresa caso não receba o aumento quando e como solicitado. O que fazer: tenha um valor em mente, mas dê abertura para negociação, tanto de valores como de prazos.

Fontes: as empresas Robert Half, de recrutamento e seleção, e La Gracia, especializada em comunicação corporativa

Humanize as
apresentações, as
relações e o aprendizado
na sua empresa.

Fale com a gente

Veja também

CEO DISTANTE E INTOCÁVEL? COMO HUMANIZAR A ORGANIZAÇÃO

Já passou da hora de repensar modelos e humanizar a organização. Cada vez mais, vemos publicações de colaboradores nas redes sociais expondo angústias que se transformaram em burnout, depressão, doenças mentais e até mesmo físicas. Ou denunciando o desalinhamento do discurso que o marketing vende lindamente para fora pras práticas aplicadas internamente pelas lideranças, pelo […]

Ler mais

POR UMA LIDERANÇA MAIS INCLUSIVA

Para falar sobre uma liderança mais inclusiva, começo o texto de hoje com uma pergunta: “Por que é tão difícil lidar com o que é diferente de nós?”  Não tenho pretensão de responder, afinal, essa é uma pergunta daquelas bem cabeludas, que exigiria reunir filósofos para uma discussão longa e calorosa, regada a vinho e […]

Ler mais

E quando você precisa de mais do que um tapa na apresentação?

“Dá um tapa na apresentação aí! É simples.” Se eu tivesse contado as vezes que ouvi certas frases nos últimos 13 anos, esse com certeza ganharia de todas. Nossa, quase todo mundo pede apresentação desse jeito. Mas só quem faz apresentação todos os dias sabe que não é tão simples assim. Uma apresentação boa de […]

Ler mais

Qual a diferença entre um slide bonito e um slide com design?

Muito além de criar um slide bonito, recentemente, no artigo “A La Gracia ainda faz apresentações?”, eu disse que a La Gracia nasceu criando conexão por meio de apresentações. E tudo o que a gente foi aprendendo, ao fazer apresentações para presidentes e executivos do corporativo, fomos levando para nossos cursos. E tudo o que […]

Ler mais

Qual a diferença entre promover experiência e expor conteúdo?

Promover experiência é a constante resposta, presente nos 12 anos em que venho experimetando as várias formas de ensinar. Cada vez mais, vou me tornando uma defensora das metodologias que colocam o aluno como centro do aprendizado. O contrário disso é o que o educador Paulo Freire chamava de Educação Bancária: aquele tipo de educação que coloca […]

Ler mais