Texto originalmente escrito por Debbie Fay, para a Forbes. Tradução livre.

10. Pensar que todo mundo é um comediante: Se você é engraçado, bom para você! Todo mundo adora rir e Deus sabe que adultos não riem tanto quanto deveríamos. MAS, você não tem que ser engraçado para ser um bom apresentador. Na verdade, a única coisa que você deve fazer é ser você mesmo. O público só ouve pessoas em quem ele confia, e o único jeito de ganhar crédito é ser autêntico. E o único jeito de ser auntêntico é ser VOCÊ!

9. Ser um estranho em uma terra estranha: Sempre chegue cedo ao local da sua apresentação; no dia anterior, se possível, mas pelo menos meia hora antes do horário marcado. Quando você chega cedo tem a oportunidade de se familizarizar com a sala em que irá falar e poderá encontrar alguns membros do seu público; um ótimo jeito de quebrar o gelo e te deixar mais confortável. Mais importante, você pode mencioná-los, ou sua área de expertise, na sua fala e aumentar exponencialmente o interesse do público.

8. Improvisar: Fico sempre impressionado com as pessoas que me dizem (com orgulho) que eles não se preparam para seus discursos, eles preferem falar “de improviso”. Caramba! Você DEVE planejar e se preparar, não importa se você vai falar por 10 ou 100 minutos. NINGUÉM gosta de ouvir alguém divagar, fazer rodeios, desviar, ou se repetir. Acredito que foi Mark Twain que disse “discurso de improviso exige muita preparação”. Apenas faça isso.

7. Estender-se: NUNCA, NUNCA é uma boa ideia falar mais do que tempo reservado para isso. Você deveria ou terminar alguns minutos antes ou na hora. Na verdade, se você é um de muitos apresentadores, e se você está apresentando logo antes do almoço ou pior, pouco antes do fim do dia, torne-se um herói e termine 10 minutos antes. Então fique disponível para perguntas no almoço, coquetel, etc. Aqueles que querem saber mais vão procurar por você. Todos os demais vão ADORAR você simplesmente por ser solidário com seus estômagos vazios e mentes cheias.

6. Contando tudo: Você é o expert, e eles vieram para ouvir você falar. O impulso comum é contar a eles tudo o que você sabe. ERRADO. A melhor maneira de organizar o seu material é através da regra dos três, algo que considero mágico. Eu desencorajo você fortemente de alguma vez tentar ir além de 5 pontos principais. Por quê? É simples. Seu público não pode reter mais do que 5, e se você continuar insistindo em lhes dar mais, eles vão 1.) Jogar fora tudo o que você disse até aquele ponto e 2.) Ficar irritado. Seja claro, conciso e atencioso. Organize seus pensamentos em três pacotes grandes de modo que seu público possa fazer o mesmo.

5. Desculpar-se: Nada deixa um público mais desconfortável do que ouvir um palestrante pedir desculpas por algo que eles a.) não haviam notado, b.) não tinham como saber que era errado ou em falta, e c.) está distraindo-os de obter a mensagem. Da mesma forma com qualquer coisa que possa dar errado que você sabe sobre, mas o público não – a ignorância é felicidade.

4. Ler: Você não deve nunca ler um slide, flip chart, transparência, apostila, etc., a menos que você esteja apresentando para crianças no jardim de infância ou qualquer outra pessoa que não saiba ler. O público pode ler 7-10 vezes mais rápido que você fala. Mais, eles PODEM LER. Por que eles deveriam sentar e ouvir você ler para eles?

3. Criação de visuais que não são auxiliares: Seus recursos visuais devem ser sempre algo que diz o que você (com palavras) não pode. Entendeu? Estamos falando de música, tabelas, gráficos, imagens, desenhos animados. Qualquer ajuda visual que você crie deve atuar como um componente sinérgico, deve esclarecer de maneiras que vão além de você e suas palavras.

2. Negligenciar a Prática: Não há como escapar deste. Você deve praticar EM VOZ ALTA e conhecer aquele friozinho da introdução e da conclusão. O modo mais fácil de deixar o “medo do palco” tirar o melhor de você é permitir-se ficar de pé na frente de um grupo de pessoas, que nunca ouviram as palavras que você está prestes a dizer. Todos os grandes oradores praticam, e praticam muito.

1. Não buscar ajuda: Nenhum de nós é bom em tudo. Eu não iria tentar fazer os meus próprios impostos NUNCA. Meu contador, gênio maravilhoso que é faz os meus impostos (pior que ele é também um bom orador público). Se você está lutando com qualquer um ou todos estes dez itens, procure ajuda! Você ficará feliz por conseguir e estará no caminho de ser ouvido.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Enviar comentário