fbpx

La Gracia Humaniza

conteúdo

Um #tbt de respeito

La Gracia Humaniza
@lagracia

Aproveitando que hoje é quinta, dia do famoso #tbt, esse post vem para resgatar um dia não muito distante. A segunda-feira dessa semana, dia 30 de setembro, foi especial em muitos sentidos, porque mostra nossa evolução e reafirma os caminhos que escolhemos trilhar. Veja só, logo pela manhã, a Joyce Baena, fundadora da La Gracia, […]

Aproveitando que hoje é quinta, dia do famoso #tbt, esse post vem para resgatar um dia não muito distante. A segunda-feira dessa semana, dia 30 de setembro, foi especial em muitos sentidos, porque mostra nossa evolução e reafirma os caminhos que escolhemos trilhar.

Veja só, logo pela manhã, a Joyce Baena, fundadora da La Gracia, com a coragem que só ela tem, fez a abertura da semana de inclusão e diversidade da Bayer, em uma fala sobre vulnerabilidade para a liderança da empresa. Esse é um tema cada vez mais urgente em um mundo que muda rapidamente e em que, enquanto as máquinas passam a realizar diversas tarefas, lutamos nos reconectar, com a gente mesmo e com os outros.

Ao mesmo tempo, aqui em nosso escritório, tivemos um workshop para aplicação de uma metodologia desenvolvida para que pequenas e médias empresas deem seus primeiros passos para incorporar práticas sustentáveis em suas operações. O workshop foi facilitado pelo Luiz Grecov, sócio da La Gracia, e pela Liza Degtyareva, consultora de negócios e sustentabilidade, que desenvolveram a metodologia, e contou com as presenças da Camila Laguzzi, também sócia, e do Alê Pinheiro e da Gabi Belnuovo.

Foi muito interessante e desafiador, porque a gente teve que ter um olhar autocrítico para enxergar onde a gente peca – e a gente erra MUITO – quando fala de sustentabilidade – em todos os níveis –  e O QUÊ, de fato, a gente pode fazer para causar um real impacto positivo na sociedade e na comunidade onde vivemos. Descobri que falar sobre sustentabilidade é falar também sobre cidadania, respeito e inclusão. Sair com uma missão foi a parte mais legal, porque a gente se sente parte importante e passa a ter um papel dentro do todo.
Gabi

 

Me ajudou a enxergar, de forma empírica e simples, como podemos nos ter atitudes mais sustentáveis e gerar ainda mais impacto positivo na nossa cadeia de valor. A metodologia desenvolvida e aplicada nesse projeto pode facilmente ser aplicada em quaisquer outras organizações de pequeno e médio porte. Estou animado para as próximas reuniões e para colocarmos a mão na massa em busca dos objetivos que traçamos.
Alê

Ainda, à tarde, o Alê a Gabi e também a Natália Bastos estiveram presentes no workshop Diálogos no Escuro, oferecido pela carlotas. Guiados por facilitadores com deficiência visual, o grupo passou cerca de 2 horas no escuro em uma atmosfera de aprendizagem com autenticidade, empatia e abertura.

Revi todos meus conceitos sobre deficiência visual. Ter participado me fez enxergar – ironicamente – o quanto somos ignorantes pelo simples fato de enxergarmos: a gente não faz ideia do quanto é possível fazer sem a visão, e de como os deficientes visuais podem ser independentes.. Aprendi muito sobre o meu olhar a respeito das PCDs e sobre o quanto a escuta ativa deve fazer parte do nosso cotidiano. Me fez ter mais propriedade para defender a inclusão das PCDs dentro das empresas.
Gabi

 

A experiência de ficar cerca de 2 horas imerso em uma escuridão total, com diversas atividades a serem desenvolvidas, é transformadora. Nós entramos no escuro repletos de sentimentos negativos, como o medo, a insegurança, a ansiedade. Após 120 minutos privados da visão, na companhia de ótimos facilitadores com deficiência visual – e que, portanto, vivenciam sempre o que vivenciávamos por um momento – saímos do ambiente com sentimentos positivos: confiança, descoberta, aprendizagem. A experiência de empatia e vulnerabilidade que o workshop oferece é extremamente difícil de ser recriada sem o devido suporte nas ruas de qualquer cidade.
Alê

Inclusivo, diverso, sustentável.

Esse é o mundo que queremos, onde ser quem a gente é não seja motivo para medo ou resistência, mas sim para abertura e conexão e no qual consideramos o impacto de tudo que fazemos e falamos, em nós mesmos, nos outros e no planeta. É nisso que acreditamos e é por isso que lutamos, dia a dia, construindo, desconstruindo, caindo, levantando e seguindo em frente. Só assim faz sentido.

E aí, vem com a gente?

Humanize as
apresentações, as
relações e o aprendizado
na sua empresa.

Fale com a gente

Veja também

CEO DISTANTE E INTOCÁVEL? COMO HUMANIZAR A ORGANIZAÇÃO

Já passou da hora de repensar modelos e humanizar a organização. Cada vez mais, vemos publicações de colaboradores nas redes sociais expondo angústias que se transformaram em burnout, depressão, doenças mentais e até mesmo físicas. Ou denunciando o desalinhamento do discurso que o marketing vende lindamente para fora pras práticas aplicadas internamente pelas lideranças, pelo […]

Ler mais

POR UMA LIDERANÇA MAIS INCLUSIVA

Para falar sobre uma liderança mais inclusiva, começo o texto de hoje com uma pergunta: “Por que é tão difícil lidar com o que é diferente de nós?”  Não tenho pretensão de responder, afinal, essa é uma pergunta daquelas bem cabeludas, que exigiria reunir filósofos para uma discussão longa e calorosa, regada a vinho e […]

Ler mais

E quando você precisa de mais do que um tapa na apresentação?

“Dá um tapa na apresentação aí! É simples.” Se eu tivesse contado as vezes que ouvi certas frases nos últimos 13 anos, esse com certeza ganharia de todas. Nossa, quase todo mundo pede apresentação desse jeito. Mas só quem faz apresentação todos os dias sabe que não é tão simples assim. Uma apresentação boa de […]

Ler mais

Qual a diferença entre um slide bonito e um slide com design?

Muito além de criar um slide bonito, recentemente, no artigo “A La Gracia ainda faz apresentações?”, eu disse que a La Gracia nasceu criando conexão por meio de apresentações. E tudo o que a gente foi aprendendo, ao fazer apresentações para presidentes e executivos do corporativo, fomos levando para nossos cursos. E tudo o que […]

Ler mais

Qual a diferença entre promover experiência e expor conteúdo?

Promover experiência é a constante resposta, presente nos 12 anos em que venho experimetando as várias formas de ensinar. Cada vez mais, vou me tornando uma defensora das metodologias que colocam o aluno como centro do aprendizado. O contrário disso é o que o educador Paulo Freire chamava de Educação Bancária: aquele tipo de educação que coloca […]

Ler mais