fbpx

La Gracia Humaniza

conteúdo

Você pode abrir a câmera, por favor?

La Gracia Humaniza
@lagracia

A fotógrafa Ilana Bessler dá dicas sobre enquadramento, iluminação e construção de imagem para todas as lives, reuniões online e videoconferências que se intensificaram no nosso cotidiano.

A fotógrafa e comunicadora visual Ilana Bessler, idealizadora do Habitado, dá dicas sobre enquadramento, iluminação e construção de imagem para todas as lives, reuniões online e videoconferências que se intensificaram no nosso cotidiano

De repente, home office. Você não tem mais a sua mesa de trabalho, com suas anotações, sua ordem, seu distanciamento da vida pessoal. O escritório agora é em casa, a casa virou escritório. E este cenário, provavelmente, veio para ficar. Vivemos, hoje, um momento de transformação, onde pessoas e empresas estão entendendo as possibilidades de redução de custos e de deslocamentos, se abrindo ao trabalho remoto e modelos mais flexíveis.

Então você tenta arrumar um cantinho. Talvez já tivesse um espaço para trabalhar remotamente, talvez esse ambiente agora seja a penteadeira do quarto. Mas você conseguiu! Tem agora um pouco de tranquilidade e privacidade, dentro de casa, para o trabalho (mesmo que com horários cronometricamente negociados com o companheiro ou companheira). Só tem um probleminha… você não está sozinho.

Dicas para abrir a câmera do laptop sem medo

Pois é, as reuniões online se multiplicaram e agora sua imagem é a vista através da câmera do computador. Você, claro, dá uma arrumada no cabelo, certifica-se de usar uma roupa adequada, tenta sumir com a bagunça do fundo. Mas será que isso basta?

A fotógrafa e criadora do Projeto Habitado, Ilana Bessler, garante que há muito mais a ser feito, com resultados surpreendentes. Garante não, mostra. Convidada especial em dois webinars promovidos pela La Gracia, ela transformou, ao vivo, o ambiente de três participantes.

 

Muito sério? Casual demais?

“A pessoa precisa pensar, antes de mais nada, na imagem que ela quer passar”, diz a fotógrafa, que trabalha com a produtora e jornalista Manuela Figueiredo. Juntas, elas ajudam profissionais a produzir, em casa, imagens de produtos e objetos; retratos ou selfie; lives; webinars; vídeos; projetos de decoração ou mesmo de ampliar seu conhecimento em fotografia de interiores, através de uma mentoria personalizada.

Ela diz que, embora seja importante manter a imagem profissional, querer montar um cenário que “disfarça” que você está em casa não é necessariamente bom. “Fica desconexo demais da realidade. Todos estamos em casa e sabemos disso. Em vez de esconder quem você é no ambiente familiar, podemos perceber como uma grande oportunidade parade fundir imagem profissional com a pessoal, e se permitir explicitar suas subjetividades”, diz Ilana.

 

Sem medo das suas subjetividades

A câmera deve captar também suas subjetividades
Claudio Thebas precisava melhorar seu cenário para cursos online

A filha vai chorar, o cachorro vai latir, a obra do vizinho vai incomodar. Você tenta, claro, minimizar tudo isso durante uma reunião, mas nem sempre é possível. Ao pensar nesse espaço que criará em casa para “ser visto” por seus chefes e colegas, o ideal é balancear profissional e pessoal. Como exercício, Ilana e Manu sugerem escolher três objetos que te represente de alguma forma. Uma quadro, um copo, um bonequinho com valor afetivo. Aí, em um ambiente mais clean, ou seja, não tão cheio de coisas, você vai harmonizar esses elementos, utilizando também recursos mais coringas, como livros e plantas.

 

O enquadramento perfeito

É preciso que a câmera consiga captar diferentes enquadramentos
Design do Bom precisava melhorar suas fotos de objetos e produtos em cantinhos da casa

Fotógrafa há mais de 20 anos, Ilana tem um olhar especial para enquadramentos. Isso não significa, necessariamente, ficar no centro do quadro. “Tem a ver com proporção, com o olhar, com equilíbrio. Não adianta você estar no centro, se atrás de você tem um quadro super chamativo – o olhar vai para ele, não para você”, explica.

 

Iluminação é tudo

O posicionamento da câmera faz uma grande diferença ao achar a melhor iluminação
Winnie Bastian precisava melhorar suas imagens para lives e criar cantinhos para fotografar em casa

Talvez o erro mais comum das pessoas ao usarem a câmera do computador é a forma como se posicionam em relação à luz. Se fica atrás de você, vemos só um clarão, se fica de um lado, parte do rosto pode ficar escura. O ideal? “Se puder contar com luz natural vindo de frente, o resultado costuma ser bem bacana”, diz a fotógrafa. Mas, atenção, se for uma luz muito forte, vale amenizá-la com uma cortina, preferencialmente transparente. “Aqueles tecidos tipo voil funcionam como um difusor”, complementa.

 

Dicas da equipe do Habitado para colocar em prática já

  • Trabalhe na sua luz! Se puder posicionar o computador ou câmera próximo a uma janela, melhor. Prefira a iluminação natural à artificial;
  • Para encontrar o melhor enquadramento, não tem jeito, é teste! Lembre-se que pode mover não somente a tela (câmera) do computador, mas a posição do aparelho (mais para o alto, mais baixo), sua cadeira, seu lugar na mesa, etc;
  • Monte seu fundo observando se nada ganha mais destaque que você. Combine elementos mais “profissionais” com outros mais pessoais (pense que se alguém perguntar sobre determinado objeto você ficaria feliz em falar sobre ele);
  • Fique de olho nos cenários montados por correspondentes internacionais dos jornais, quando estão em casa. Perceba a mistura de elementos e o uso da luz!

 

Quer saber mais?

Você pode assistir os dois webinars com a Ilana Bessler no nosso canal do YouTube. No primeiro ela aborda bastante questões como nossa relação com nossa casa, criação de identidade e dicas práticas de fotografia e uso da câmera, incluindo enquadramento e iluminação. No segundo, que contou também com a participação da Manuela Figueiredo, as duas montaram ambientes em tempo real, então pode-se ver o antes e depois.

Para contratar a mentoria ou saber mais sobre o trabalho delas você pode entrar em contato pelo WhatsApp no (11) 97545-5650 ou enviar uma mensagem no Insta do projeto: @habitado.projeto.

 

Humanize as
apresentações, as
relações e o aprendizado
na sua empresa.

Fale com a gente

Veja também

CEO DISTANTE E INTOCÁVEL? COMO HUMANIZAR A ORGANIZAÇÃO

Já passou da hora de repensar modelos e humanizar a organização. Cada vez mais, vemos publicações de colaboradores nas redes sociais expondo angústias que se transformaram em burnout, depressão, doenças mentais e até mesmo físicas. Ou denunciando o desalinhamento do discurso que o marketing vende lindamente para fora pras práticas aplicadas internamente pelas lideranças, pelo […]

Ler mais

POR UMA LIDERANÇA MAIS INCLUSIVA

Para falar sobre uma liderança mais inclusiva, começo o texto de hoje com uma pergunta: “Por que é tão difícil lidar com o que é diferente de nós?”  Não tenho pretensão de responder, afinal, essa é uma pergunta daquelas bem cabeludas, que exigiria reunir filósofos para uma discussão longa e calorosa, regada a vinho e […]

Ler mais

E quando você precisa de mais do que um tapa na apresentação?

“Dá um tapa na apresentação aí! É simples.” Se eu tivesse contado as vezes que ouvi certas frases nos últimos 13 anos, esse com certeza ganharia de todas. Nossa, quase todo mundo pede apresentação desse jeito. Mas só quem faz apresentação todos os dias sabe que não é tão simples assim. Uma apresentação boa de […]

Ler mais

Qual a diferença entre um slide bonito e um slide com design?

Muito além de criar um slide bonito, recentemente, no artigo “A La Gracia ainda faz apresentações?”, eu disse que a La Gracia nasceu criando conexão por meio de apresentações. E tudo o que a gente foi aprendendo, ao fazer apresentações para presidentes e executivos do corporativo, fomos levando para nossos cursos. E tudo o que […]

Ler mais

Qual a diferença entre promover experiência e expor conteúdo?

Promover experiência é a constante resposta, presente nos 12 anos em que venho experimetando as várias formas de ensinar. Cada vez mais, vou me tornando uma defensora das metodologias que colocam o aluno como centro do aprendizado. O contrário disso é o que o educador Paulo Freire chamava de Educação Bancária: aquele tipo de educação que coloca […]

Ler mais